Codex Vaticanus

O Codex Vaticanus é um dos mais antigos manuscritos existentes da Bíblia grega e um dos quatro grandes códices unciais. O nome do codex deve-se ao fato de estar guardado na Biblioteca do Vaticano, pelo menos desde o século XV. Escrito em 759 folhas de velino em letras unciais, foi datado palaeograficamente como sendo do século IV.

O manuscrito tornou-se conhecido por estudiosos ocidentais por causa da correspondência entre Erasmo de Rotterdam e os prefeitos da Biblioteca do Vaticano. Partes do codex foram coligidas por vários estudiosos, mas numerosos erros foram feitos durante este processo. A relação do codex com a Vulgata não era clara e inicialmente os estudiosos não estavam cientes do valor do codex, o que mudou no século XIX, quando transcrições completas do codex foram concluídas. Foi nesse momento que os estudiosos perceberam que o texto diferia da Vulgata e do Textus Receptus.

A erudição acadêmica atual considera o Codex Vaticanus como um dos melhores textos gregos do Novo Testamento, juntamente com o Codex Sinaiticus. Até a descoberta do texto do Sinaiticus por Tischendorf, o Codex Vaticanus era inigualável. O Codex Vaticanus foi usado extensivamente por Westcott e Hort na edição de "O Novo Testamento no Grego Original", em 1881. As edições mais vendidas do Novo Testamento grego são largamente baseadas no texto do Codex Vaticanus.

Conteúdo

O Codex Vaticanus originalmente continha uma cópia quase completa da Septuaginta, faltando apenas 1-4 Livros dos Macabeus e a Prece de Manassés. As 20 folhas originais com o Gênesis 1:1–46:28a e o Salmo 105:27–137:6b foram perdidas e foram transcritas posteriormente por um escriba no século XV. Os versículos de II Reis 2:5–7, 10-13 também foram perdidos por causa de um rasgo em uma das páginas. A ordem dos livros do Antigo Testamento no codex é a seguinte: De Gênesis até II Crônicas está na ordem normal, após isso a ordem é a seguinte: 1 Esdras; 2 Esdras (Esdras-Neemias); os Salmos; Livro dos Provérbios; Eclesiastes; Cântico dos Cânticos; Jó; Sabedoria; Eclesiástico; Ester; Judite; Tobias; os profetas menores de Oséias até Malaquias; Isaías; Jeremias; Baruque; Lamentações e a Epístola de Jeremias; Ezequiel e Daniel. A ordem dos livros é diferente da do Codex Alexandrinus.

O Novo Testamento existente no Vaticanus contém os Evangelhos, os Atos dos Apóstolos, as Epístolas católicas, as Epístolas paulinas e a Epístola aos Hebreus (até Hebreus 9:14); faltando a Primeira Epístola a Timóteo, a Segunda Epístola a Timóteo, a Epístola a Tito, a Epístola a Filemon e o Livro do Apocalipse. Estes livros ausentes foram complementados no século XV (fólios 760–768) e catalogados separadamente como sendo o codex minúsculo 1957. Possivelmente alguns livros apócrifos do Novo Testamento foram incluídos no fim (tal como nos códices Sinaiticus e Alexandrinus) e também é possível que o Apocalipse também não tenha sido incluído.

Descrições

O manuscrito foi organizado em um volume in-quarto, arranjado em resmas de cinco folhas ou de 10 folhas cada, semelhante ao Codex Marchalianus ou Codex Rossanensis; difere do Codex Sinaiticus por ter um arranjo de quatro ou três folhas. O número de resmas é freqüentemente encontrado na margem. Originalmente deve ter sido composto de 830 folhas de pergaminho, mas parece que 71 folhas foram perdidas. Atualmente, o Antigo Testamento consiste em 617 folhas e o Novo Testamento de 142 folhas. O pergaminho é extremamente fino. O tamanho das páginas é 27 cm por 27 cm.

O codex é escrito em três colunas por página, com 40–44 linhas por página, e 16–18 letras por linha. Nos livros poéticos do Velho Testamento (VT) apenas duas colunas preenchem uma página. No Pentateuco, Josué, Juízes, Rute, e I Reis 1:1–19:11 tem 44 linhas em uma coluna; em II Crônicas 10:16–26:13 são 40 linhas em uma coluna; e no Novo Testamento são 42 linhas. O manuscrito é um dos poucos manuscritos do Novo Testamento escrito com três colunas por página. Os outros dois codex gregos, escritos na mesma maneira são o Uncial 048 e Uncial 053. O Codex Vaticanus compreende um único volume in-quarto, contendo 759 finas e delicadas folhas de velino.

Importância

O Codex Vaticanus é um dos mais importantes textos manuscritos da Septuaginta e Novo Testamento grego, é um exemplo importante de texto-tipo Alexandrino. Foi usado por Westcott e Hort na edição do O Novo Testamento no Grego Original (1881), e foi a base para o texto. Todas as edições críticas do Novo Testamento publicadas após o trabalho de Westcott e Hort foram baseadas mais nos textos dos Evangelhos do Codex Vaticanus do que dos textos do Sinaiticus, com apenas a exceção das edições de Hermann von Soden o qual foram usados mais os textos do Codex Sinaiticus. Todas as edições de Nestle-Aland se mantêm próximo das características textuais para os textos de Westcott-Hort, o que significa que Vaticanus foi a base para a tradução.

Segundo a opinião geralmente aceita dos críticos textuais, o codex é a testemunha mais importante do texto dos Evangelhos, nos Atos e Epístolas Católicas, com uma importância igual a do Codex Sinaiticus, embora ele incorpore nas epístolas paulinas algumas leituras ocidentais e o valor do texto seja um pouco menor do que o do Codex Sinaiticus. Infelizmente, o manuscrito não está completo. Aland observou: "B é de longe o mais significativo do unciais".




Compartilhar este Artigo no Facebook


Leia Mais: